23 de junho de 2008

NOVAS TECNOLOGIAS - PARTE 1

Como disse no ínicio e criação deste blog, escreverei e abordarei sobre TUDO. Por isso, convidei o querido consultor Marcio Maia para discorrer a respeito das novas tecnologias que estão gritando na midia (e que é charmoso falar a respeito!).

Na primeira parte desta gostosa brincadeira, iremo falar sobre:

BLU-RAY

Logo após a virada do milênio as empresas perceberam como o DVD havia se tornado um negócio realmente lucrativo. A troca de música pela internet a cada ano derrubava mais e mais a quantidade de CDs vendidos, bem como os lucros das gravadoras. Naquele momento a internet ainda não havia alcançado as altas velocidades de hoje e baixar filmes e séries era muito penoso, então as pessoas comprava os boxes de DVDs, e compravam filmes e compravam bundles de show com CD e assim abriam uma nova fonte de renda para gravadoras e estúdios.

O sucesso do produto DVD acrescido de outras tendências como a busca pela alta definição guiaram as empresas a iniciarem estudos por um substituto do DVD. Neste mesmo tempo a velocidade da internet começou a aumentar e surgiu o YouTube e a tendência pela busca de vídeos.

Na segunda metade da primeira decada do milênio foram lançadas, em meio a queda de vendas do DVD, duas tecnologias substitutivas: HD-DVD liderada pela Toshiba e apoiada por alguns estúdios de cinema, bem como empresas como Intel e Microsoft. Do outro lado surgiu o Blu-ray liderado pela Sony e apoiado pelo conglomerado e poderoso grupo Sony, e também por outros estúdios de cinema e muito mais empresas eletrônicas como a Samsung.

Depois de quase dois anos de muito dinheiro gasto em eventos, propaganda, demonstrações, lobbies e tudo mais que se possa imaginar a Toshiba jogou a toalha e a Sony venceu, fazendo do Blu-ray o novo padrão para vídeos de alta definição.

O que é o Blu-ray especificamente?

- Um disco similar ao CD/DVD que pode receber gravação de conteúdo em camadas e que permite reprodução com definição muito boa, chegando em até 1080 linhas contra cerca de 700 linhas oferecidas atualmente.

- O ultra fino feixe laser azul (daí o nome) leia mais linhas. Nessas linhas são gravados os conteúdos que assistimos e ouvimos. Cada camada do disco de Blu-ray permite gravação de até 25GB (o DVD atual permite até 4,7GB por camada). O Blu-ray também permite que sejam criadas até 4 camadas, duas de cada lado. (DVD atual permite só uma camada por lado).

- Um outro diferencial que atrasou a escolha do padrão é a tal interatividade. Até hoje não é muito certo como funciona e para que serve. Vale lembrar que muitos anunciaram várias possibilidades com o DVD comum e em pouquíssimos discos tivemos tais recursos como: finais alternativos aos filmes, ângulos distintos etc. Inicialmente a interatividade vai servir mesmo é para que de algum modo as empresas consigam ganhar mais dinheiro por meio de comércio eletrônico.

Voltemos agora ao macro-cenário. A internet evoluiu e a Apple criou tendência de comprar e/ou alugar séries e filmes pela internet para depois assistir ou pelo iPod vídeo ou pelo Apple TV. Junto surgiram outros serviços similares. Neste mesmo tempo o torrent apareceu como uma alternativa fantástica para baixar arquivos grandes de qualidade média-alta e em alguns casos 'HD', mas poucos são aqueles que realmente querem um vídeo 1080 linhas, são grandes, pesados e para valer a pena a TV tem que ser HD (no Brasil isso custa mais de dois mil reais).

Em paralelo ao torrent e inovações da Apple, há também o YouTube que faz muito sucesso oferecendo exatamente o oposto do Blu-ray: vídeos de baixa definição. Usando uma compactação Flash que gera arquivos 'FLV' o YouTube faz o maior sucesso trazendo conteúdo pessoal, videoclips e tudo mais que você imagina.

Especialistas já apontam que o Blu-ray terá vida curta e será dizimado pela internet, por meio da venda e locação on line*. Outro ponto é a despreocupação do público em geral com alta definição, afinal de contas ela custa muito caro e a qualidade ainda não é amplamente percebida, daí o sucesso do YouTube. (Um exemplo interessante sobre essa alta qualidade pouco percebida é o DVDÁudio. Alguém conhecia? Pois é.. pouca gente conhece a ponto das gravadoras descontinuarem o formato para títulos populares, deixando-o apenas para música clássica, jazz e similares cujos admiradores são realmente atentos a isso, mas representam menos de 10% do mercado total).

Para tentar estender a vida do Blu-ray e reaver todo investimento a Sony vai ter que baratear bem rápido o sistema, assim como em esforço conjunto baratear todo o equipamento HD para incentivar a migração, e ainda assim correrá o risco de só perder mais dinheiro.

Se eu compraria um Blu-ray player? Sim, desde que fosse barato e eu pudesse ter um TV compatível (desde que fosse mais barata). Se me importo com alta definição? Hummm.. não. Contanto que eu consiga identificar linhas e feições estou bem satisfeito. Vídeos em 'AVI, MPEG, MP4' já são ótimos para mim. Se eu aconselho a comprar um Blu-ray? Hummm.. sim para quem gosta de televisão e vídeos e coisas do gênero. Não para quem pouco assiste e prefere internet e outras coisas como leitura, música etc.


2 deixaram seu recado:

Clebs 24 de junho de 2008 11:10  

Pois é Rubens... O Adeus foi até dado, mas internamente ele é ignorado....Vira um "Até Logo".

Sobre o post....
Mais um blogueiro que alimenta o meu nerd pessoal! Adoro tecnologia.

Voltarei.

Abração

Marco 25 de junho de 2008 08:36  

Cara, adorei a reportagem!
Você não faz idéia o quanto foi esclarecedor pra mim.

Grande abraço!

Postar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO